Blog

    O Saque-Rescisão do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é um direito assegurado à você após o término de seus contratos de trabalho. Esse processo visa proporcionar uma segurança financeira durante momentos de transição profissional e auxiliar nas despesas decorrentes da rescisão. 

    No entanto, o saque-rescisão não é a única alternativa para ter acesso ao seu FGTS, e compreender os detalhes e procedimentos associados a esse processo pode gerar dúvidas. Acompanhe a seguir 19 dúvidas sobre Saque-Rescisão que o Banco Mercantil selecionou para explicar junto com informações valiosas disponibilizadas pelos sites governamentais.

    1. O que é o saque-rescisão do FGTS?

    O saque-rescisão é a possibilidade de sacar parte do saldo de sua conta do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) em situações específicas de rescisão do contrato de trabalho. Isso ocorre quando o vínculo empregatício é encerrado, seja por demissão sem justa causa, término de contrato por prazo determinado, aposentadoria ou outras circunstâncias definidas por lei.

    O saque-rescisão visa oferecer um suporte financeiro durante a transição entre empregos ou na aposentadoria, auxiliando no pagamento de despesas emergenciais, como contas, aluguel ou outros compromissos financeiros.

    Quando alguém é demitido sem justa causa, por exemplo, tem o direito de sacar o saldo total de sua conta FGTS, incluindo o valor depositado pelo empregador mais a correção monetária e os rendimentos acumulados. 

    2. Como posso solicitar o saque-rescisão do FGTS?

    Para solicitar o saque-rescisão do FGTS, você pode seguir os seguintes passos:

    • Revise a documentação: Após a rescisão do contrato de trabalho, certifique-se de obter todos os documentos relacionados à rescisão, como o Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho (TRCT) e o comprovante de saque do FGTS.
    • Verifique os critérios de saque: Verifique se você se enquadra em uma das situações que permitem o saque-rescisão do FGTS, como demissão sem justa causa, término de contrato por prazo determinado, aposentadoria, entre outras situações especificadas na legislação.
    • Escolha a melhor maneira para sacar: Para realizar o saque-rescisão, você pode se dirigir a uma agência da Caixa Econômica Federal ou acessar o aplicativo Caixa Tem. Tanto presencialmente quanto online, você receberá orientações sobre os documentos necessários e os procedimentos a serem seguidos.
    • Apresente ou envie os documentos: No atendimento (online ou presencial), você deve apresentar documentos pessoais, como RG, CPF, carteira de trabalho e o Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho. Além disso, se possível, tenha também o comprovante de endereço.
    • Realize o Saque: A instituição financeira processará o saque com base nas informações fornecidas e nos documentos apresentados. O valor disponível para saque inclui o saldo da conta FGTS com o acréscimo da correção monetária e dos rendimentos.
    • Escolha o local de pagamento: Em alguns casos, você pode escolher a forma de pagamento, que pode ser diretamente na agência da Caixa, em caixas eletrônicos ou por transferência para uma conta bancária de sua preferência.
    • Fique atento aos prazos: É importante ficar atento aos prazos para realizar o saque, pois existem limites de tempo para fazer a solicitação. Você pode conferir mais informações sobre o prazo na dúvida nº 5.

    3. Quem tem direito ao saque-rescisão do FGTS?

    O saque-rescisão do FGTS está disponível para quem se enquadrar em alguma das situações específicas de rescisão de contrato de trabalho. As principais situações que dão direito ao saque-rescisão do FGTS incluem:

    • Demissão sem Justa Causa: Pessoas demitidas pelo empregador sem motivo justificado têm direito a sacar o saldo total de sua conta FGTS, incluindo o valor depositado pelo empregador, a correção monetária e os rendimentos.
    • Término de Contrato por Prazo Determinado: Quando um contrato de trabalho por prazo determinado chega ao fim, também é possível sacar o FGTS.
    • Rescisão por Acordo: Em alguns casos de rescisão por acordo, o/a colaborador/a pode ter direito ao saque-rescisão do FGTS, com restrições específicas.
    • Aposentadoria: Ao se aposentar você tem direito ao saque do saldo total de sua conta FGTS.
    • Idade Igual ou Superior a 70 Anos: Pessoas com idade igual ou superior a 70 anos têm direito ao saque do FGTS, independentemente da situação de rescisão.
    • Invalidez do/a trabalhador/a ou dependente: Em casos de invalidez do/a trabalhador/a ou de seus/suas dependentes, é possível sacar o FGTS.
    • Morte: Em caso de falecimento, herdeiros/as têm direito ao saque dos valores acumulados no FGTS.

    4. O saque-rescisão do FGTS é automático?

    Em alguns casos, como o de demissão sem justa causa, o saque-rescisão do FGTS pode ser realizado de forma automática. Quando isso ocorre, o empregador é responsável por fornecer as informações sobre a rescisão do contrato de trabalho à Caixa Econômica Federal, que administra o FGTS. Com base nessas informações, a Caixa pode liberar automaticamente o saque do saldo FGTS.

    No entanto, mesmo que o processo seja em grande parte automático, ainda é necessário que a pessoa que receberá o pagamento confirme e efetue o saque. Isso geralmente envolve a apresentação de documentos e informações para comprovar a sua identidade e direito ao saque em agências da Caixa ou no aplicativo Caixa Tem.

    Em outras situações, como aposentadoria ou término de contrato por prazo determinado, também é possível solicitar o saque-rescisão do FGTS, mas o processo pode envolver mais etapas além da rescisão automática.

    5. Qual o prazo para sacar o FGTS após a rescisão?

    O prazo para sacar o FGTS após a rescisão do contrato de trabalho varia de acordo com a situação da rescisão e pode depender das regras estabelecidas pela Caixa Econômica Federal. Algumas situações têm prazos específicos, enquanto outras permitem o saque em qualquer momento após a rescisão. Abaixo estão alguns exemplos de prazos:

    • Demissão sem justa causa: Para quem foi demitido sem justa causa, o prazo para efetuar o saque rescisão do FGTS é de 30 dias contados a partir do momento em que a empresa informa a chave de resgate.
    • Término de Contrato por Prazo Determinado: Para contratos por prazo determinado que chegam ao fim, é possível sacar o FGTS a partir do término do contrato.
    • Aposentadoria: No caso de aposentadoria, não há prazo específico para o saque FGTS. A pessoa aposentada pode solicitar o saque a qualquer momento após a concessão da aposentadoria.
    • Rescisão por Acordo: Em algumas situações de rescisão por acordo, você pode ter que aguardar até dois anos após o fim do contrato para sacar o FGTS. No entanto, as regras exatas podem variar.
    • Idade igual ou superior a 70 anos: Pessoas com idade igual ou superior a 70 anos podem sacar o FGTS a qualquer momento.
    • Invalidez do/a trabalhador/a ou dependente: Não há um prazo específico para o saque em caso de invalidez. O saque pode ser solicitado após a confirmação da invalidez.

    6. Qual é a diferença entre o saque-rescisão e o saque-aniversário do FGTS?

    O saque-rescisão e o saque-aniversário FGTS são duas modalidades diferentes de acesso aos recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), cada uma com suas próprias regras e propósitos. Aqui estão as principais diferenças entre essas duas modalidades:

    Saque-Rescisão FGTS:

    O saque-rescisão é destinado a situações de rescisão do contrato de trabalho, como demissão sem justa causa, término de contrato por prazo determinado, aposentadoria, entre outros. Nessa modalidade, você pode sacar o saldo total do FGTS imediatamente após o término do contrato de trabalho, caso se enquadre nas situações elegíveis. O valor disponível para saque é o saldo total acumulado na conta FGTS, incluindo os depósitos do empregador, a correção monetária e os rendimentos. O saque-rescisão pode ser realizado uma única vez em cada situação de rescisão.

    Saque-Aniversário FGTS:

    O saque-aniversário permite o saque de uma parcela do saldo do FGTS anualmente, no mês do seu aniversário. É uma opção para quem deseja ter acesso aos recursos do FGTS de forma mais flexível. Ele pode ser feito no mês do seu aniversário e até dois meses subsequentes. 

    O valor disponível para saque no saque-aniversário é calculado com base em uma tabela progressiva, que considera o saldo da conta FGTS e uma porcentagem correspondente. É importante observar que a adesão ao saque-aniversário é opcional.

    Antecipação do Saque-Aniversário FGTS

    Com o Banco Mercantil, é possível antecipar o seu Saque-Aniversário com as melhores taxas do mercado. A antecipação do Saque-Aniversário FGTS é feita via WhatsApp e você recebe o dinheiro no mesmo dia. Para aproveitar essa oportunidade, você não precisa ter conta no Banco Mercantil. Basta ter saldo no FGTS, ter optado pelo Saque Aniversário e você receberá a antecipação na sua conta, no banco de sua preferência.

    7. Como é feito o cálculo de rescisão do saque FGTS?

    O valor do saque-rescisão do FGTS é calculado com base no saldo total acumulado na conta FGTS, que inclui os depósitos realizados pelo empregador, a correção monetária e os rendimentos gerados ao longo do tempo.

    O cálculo do valor do saque-rescisão do FGTS envolve somar os seguintes componentes:

    • Saldo Principal: É o valor total acumulado na conta FGTS até o momento da rescisão do contrato de trabalho.
    • Correção Monetária: O saldo principal é corrigido pela variação da Taxa Referencial (TR), que é um índice utilizado para corrigir valores do FGTS e outros investimentos.
    • Rendimentos: São os juros e rendimentos que foram gerados sobre o saldo ao longo do tempo.

    Portanto, o valor total a ser sacado no saque-rescisão do FGTS é a soma do saldo principal, da correção monetária e dos rendimentos.

    É importante lembrar que, embora o cálculo seja relativamente simples, as regras e procedimentos podem variar, e o valor exato pode ser influenciado por fatores como as datas de depósito, os índices de correção e outros aspectos específicos do saldo FGTS.

    O que é Taxa Referencial (TR) e como é calculada?

    A Taxa Referencial (TR) é uma taxa que serve de referência para os juros no Brasil. Ela ajuda a determinar quanto dinheiro você ganha ou paga em certos investimentos ou empréstimos, especialmente os relacionados à caderneta de poupança e a financiamentos habitacionais.

    A TR é calculada pelo Banco Central usando informações sobre empréstimos entre os bancos. Eles pegam esses números e fazem uma média. Para chegar no cálculo, é preciso saber o atual valor da Taxa Básica Financeira (TBF), que é o principal elemento da fórmula utilizada para encontrar o valor da Taxa Referencial.

    8. O que é a multa de 40% sobre o FGTS na rescisão?

    A multa de 40% sobre o FGTS na rescisão é um valor adicional que a empresa é obrigada a pagar quando ocorre a demissão sem justa causa. Ela corresponde a 40% do total acumulado na sua conta do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) durante todo o período em que você esteve empregado/a.

    Essa multa tem o objetivo de proporcionar uma compensação pela perda do emprego e ajudar a garantir uma segurança financeira durante o período de transição entre um emprego e outro. Ela é uma das formas pelas quais o FGTS serve como uma proteção aos direitos trabalhistas. Portanto, quando uma pessoa é demitida sem justa causa, além do valor do saldo total do FGTS que ela tem direito a sacar, a empresa também deve pagar uma multa equivalente a 40% desse saldo. Esse valor é depositado na sua conta FGTS e, assim como o saldo principal, pode ser sacado nas situações permitidas pela legislação.

    É importante lembrar que essa multa é específica para demissões sem justa causa. Em outras situações de rescisão do contrato de trabalho, como término de contrato por prazo determinado ou pedido de demissão, a multa de 40% sobre o FGTS não se aplica.

    9. Tenho direito ao saque-rescisão do FGTS se eu pedir demissão?

    Quando você pede demissão, não tem direito ao saque-rescisão do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). No entanto, existem algumas exceções nas quais a pessoa que pediu demissão pode ter direito a sacar o FGTS:

    • Pedido de Demissão por Acordo: Em alguns casos, quando há um acordo entre a empresa e o/a colaborador/a para o encerramento do contrato de trabalho, é possível ter direito a sacar parte do FGTS. 
    • Pedido de Demissão por Justa Causa do Empregador: Se houver um pedido de demissão em decorrência de uma justa causa do empregador, pode ser considerado como uma demissão sem justa causa, garantindo assim o direito ao saque-rescisão.
    • Trabalho Doméstico: Em caso de trabalho doméstico, quando há o pagamento mensal do FGTS pelo empregador, você pode ter direito ao saque-rescisão mesmo que tenha pedido demissão. No entanto, as regras específicas para os trabalhadores domésticos podem variar.

    Além disso, existe uma outra alternativa para sacar o FGTS. Você pode optar pelo Saque-Aniversário através do aplicativo do FGTS e antecipar o recebimento do valor junto ao Banco Mercantil. Essa é uma opção que pode ser levada em consideração mesmo que não esteja desempregado/a, e pode auxiliar no pagamento de contas, quitação de dívidas ou até mesmo na compra de algum item de desejo pessoal, além de ser um procedimento super seguro, rápido e prático.

    10. Posso usar o saque-rescisão do FGTS para pagar dívidas?

    Você pode usar o valor do saque-rescisão do FGTS para pagar dívidas, caso opte por essa decisão. Utilizar o saque-rescisão para pagar dívidas pode ser uma estratégia para melhorar sua situação financeira, especialmente se estiver enfrentando dificuldades devido a dívidas acumuladas. Antes de tomar essa decisão, no entanto, considere alguns pontos importantes:

    • Prioridades Financeiras: Avalie quais dívidas são mais urgentes ou que têm taxas de juros mais altas. Priorize o pagamento de dívidas que possam estar causando impactos financeiros mais significativos.
    • Negociação de Dívidas: Antes de usar o saque-rescisão para pagar dívidas, considere negociar com os credores para obter melhores condições de pagamento, descontos ou parcelamentos.
    • Reserva de Emergência: Certifique-se de que você tem uma reserva de emergência para lidar com despesas imprevistas. Se o saque-rescisão é sua única fonte de fundos, é importante manter uma parte dele como uma reserva de segurança.
    • Consequências Fiscais: Lembre-se de que o saque-rescisão é isento de imposto de renda, mas ao usá-lo para pagar dívidas, você não está investindo esse dinheiro em algo que possa gerar renda no futuro.
    • Planejamento Financeiro: Pense a longo prazo. Usar o saque-rescisão para pagar dívidas pode ser uma decisão sensata, mas também considere como isso afetará suas finanças a longo prazo.

    Sempre é recomendável buscar orientação financeira e considerar todas as implicações antes de tomar qualquer decisão relacionada ao uso do saque-rescisão do FGTS para pagar dívidas. Entre em contato com o Banco Mercantil por WhatsApp e confira as opções de antecipação do Saque-Aniversário FGTS, que também pode ser uma boa opção caso sua situação não esteja aplicada ao saque-rescisão.

    Antecipar FGTS com a melhor taxa do mercado

    11. O que acontece se eu não sacar o FGTS após a rescisão?

    Se você não sacar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) após a rescisão do contrato de trabalho, o valor permanecerá na sua conta FGTS e continuará a render juros e correção monetária. O FGTS é administrado pela Caixa Econômica Federal e é uma espécie de poupança compulsória que visa proteger os direitos trabalhistas e oferecer uma reserva financeira.

    Lembre-se de que a decisão de sacar ou não o FGTS deve ser tomada com base em suas necessidades financeiras, planos futuros e objetivos pessoais. Aqui estão algumas coisas que podem acontecer se você optar por não sacar o FGTS imediatamente:

    • Rendimentos e Correção Monetária: O valor na conta FGTS continuará a ser corrigido monetariamente e a render juros ao longo do tempo, mesmo que você não efetue o saque. Isso pode aumentar o valor disponível no futuro.
    • Reserva Financeira: Se você mantiver o FGTS na conta, ele pode se tornar uma reserva financeira útil para situações emergenciais, como despesas médicas inesperadas, imprevistos familiares ou outras necessidades.
    • Restrições de Saque: Lembre-se de que o saque do FGTS possui regras e condições específicas. Embora o saque-rescisão seja comum após a rescisão do contrato de trabalho, existem outras situações em que você pode sacar, como aposentadoria, aquisição de moradia própria, saque-aniversário, entre outras. Portanto, se não sacar imediatamente, poderá fazê-lo posteriormente, dependendo da sua situação.
    • Aposentadoria: O FGTS pode ser uma fonte adicional de recursos durante a aposentadoria, caso você decida mantê-lo na conta até esse momento.

    12. Quais são os documentos necessários para sacar o FGTS após a rescisão?

    Para sacar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) após a rescisão do contrato de trabalho, você geralmente precisará apresentar ou subir no cadastro os seguintes documentos:

    • Um documento oficial com foto, como RG (Registro Geral) ou CNH (Carteira Nacional de Habilitação);
    • Número de Inscrição no PIS/PASEP/NIT (esse número está disponível na sua carteira de trabalho, no extrato do FGTS ou em outros documentos relacionados ao seu emprego anterior);
    • Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), que é o documento que registra suas atividades de trabalho, vínculos empregatícios e anotações sobre sua vida profissional;
    • Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho (TRCT),  que é um documento fornecido pela empresa detalhando as condições da rescisão do contrato de trabalho, incluindo informações sobre o motivo da rescisão e os valores a serem pagos;
    • Número da Conta Bancária (se você optar por receber o valor do FGTS diretamente em sua conta bancária, precisará fornecer o número da conta, agência e banco);
    • Comprovante de Endereço (alguns bancos e agências da Caixa Econômica Federal podem solicitar um comprovante recente de endereço, como uma conta de luz, água, telefone, entre outros);
    • Cartão Cidadão (Opcional), que é um cartão magnético que facilita o acesso a serviços sociais e benefícios trabalhistas, como o FGTS;
    • Número do NIS (Número de Identificação Social), utilizado para sua identificação e pode ser encontrado em documentos como a carteira de trabalho, cartão do cidadão ou extrato do FGTS.

    13. Posso sacar o FGTS da rescisão se estiver em um novo emprego?

    Você pode sacar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) da rescisão mesmo que já esteja em um novo trabalho. O saque do FGTS após a rescisão do contrato de trabalho anterior é um direito que você mantém, independentemente de ter iniciado um novo emprego, pois ele está relacionado às circunstâncias da rescisão do contrato de trabalho anterior e não está diretamente ligado ao fato de você estar ou não empregado no momento em que solicita o saque. Lembre-se de que o prazo para efetuar o saque rescisão do FGTS é de 30 dias contados a partir do momento em que a empresa informa a chave de resgate.

    É importante observar que, em algumas situações específicas, como a adesão ao Saque-Aniversário do FGTS, o processo de saque pode ser outro.

    14. Tenho direito ao saque-rescisão do FGTS se a empresa em que trabalhava fechar?

    Se a empresa em que você trabalhava fechar e você for demitido em decorrência dessa situação, você terá direito ao saque-rescisão do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A rescisão do contrato de trabalho nesse caso é considerada uma demissão sem justa causa, o que dá direito ao saque do saldo total acumulado na sua conta FGTS.

    Quando uma empresa fecha e os funcionários são demitidos, as regras normais de rescisão do contrato de trabalho se aplicam. Isso significa que você terá direito a receber todas as verbas rescisórias previstas na legislação, incluindo o pagamento do saldo de salário, férias vencidas e proporcionais, 13º salário proporcional e, nesse caso, o saque-rescisão do FGTS.

    15. O saque-rescisão do FGTS é tributável?

    O saque-rescisão do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) não é tributável, ou seja, não está sujeito à incidência de imposto de renda. Isso significa que o valor que você saca do FGTS após a rescisão do contrato de trabalho não é considerado como rendimento tributável e não será adicionado à sua declaração de imposto de renda.

    O FGTS foi criado como um direito trabalhista para proteger as pessoas em situações de rescisão do contrato de trabalho, e seu objetivo principal é servir como uma reserva financeira em momentos de necessidade. Portanto, os valores sacados do FGTS não são considerados como ganhos sujeitos a tributação pelo imposto de renda.

    16. Posso transferir o valor do saque-rescisão do FGTS para outra conta?

    Você pode transferir o valor do saque-rescisão do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para outra conta bancária de sua escolha, caso deseje. Para fazer isso, deve escolher a conta bancária para a qual deseja transferir o valor, certificando-se de que a conta esteja em seu nome ou que tenha autorização para realizar essa transferência. Feito isso, utilize a opção de Saque Digital no aplicativo FGTS e realize a transação. 

    17. Tenho direito ao saque-rescisão do FGTS se fui demitido por justa causa?

    Se você foi demitido por justa causa, não tem direito ao saque-rescisão do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). O saque-rescisão está relacionado a situações de rescisão do contrato de trabalho sem justa causa, término de contrato por prazo determinado, aposentadoria, invalidez e outras circunstâncias específicas.

    A demissão por justa causa ocorre quando a pessoa comete uma falta grave prevista na legislação trabalhista, o que dá ao empregador o direito de rescindir o contrato sem a obrigação de pagar as verbas rescisórias usuais, como aviso prévio, multa de 40% sobre o FGTS, entre outras.

    No entanto, é importante entender as circunstâncias específicas da sua demissão, pois em alguns casos excepcionais pode haver disputas legais sobre a validade da justa causa. Sempre consulte um profissional de direito trabalhista ou verifique informações junto à Caixa Econômica Federal para entender melhor seus direitos e situação em relação ao FGTS.

    18. Tenho direito ao saque-rescisão do FGTS em caso de contrato de trabalho temporário?

    Sim, você tem direito ao saque-rescisão do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) em caso de rescisão de contrato de trabalho temporário. O contrato de trabalho temporário é regulamentado pela Lei nº 6.019/1974 no Brasil, e têm os mesmos direitos trabalhistas básicos que os/as trabalhadores/as permanentes.

    Portanto, se o contrato de trabalho temporário chegar ao fim e você for dispensado, você terá direito ao saque-rescisão do FGTS, desde que a rescisão não ocorra por justa causa. Independentemente da natureza temporária do contrato, a legislação garante que os seus direitos sejam protegidos, incluindo o acesso ao FGTS após a rescisão do contrato. 

    Com o fim do contrato de trabalho, você só não terá direito ao seguro desemprego, aviso prévio e a multa de 40%. Já que nesse caso, essas condições são exclusivamente ligadas ao modelo de contrato CLT.

    19. O que é o aviso prévio indenizado e como ele afeta o saque-rescisão do FGTS?

    O aviso prévio indenizado é uma situação em que a empresa decide te dispensar do cumprimento do aviso prévio, pagando-lhe a remuneração correspondente a esse período. O aviso prévio é um período de antecedência que o empregador deve dar à você antes de encerrar o contrato de trabalho. Ele pode ser trabalhado, ou seja, a pessoa continua trabalhando durante o aviso prévio, ou indenizado, onde o empregador opta por não contar com os serviços durante esse período, pagando-a em vez disso.

    No caso do saque-rescisão do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), o aviso prévio indenizado não afeta diretamente o valor a ser sacado. O valor do FGTS a ser sacado após a rescisão do contrato de trabalho é calculado com base no saldo total acumulado na conta FGTS, incluindo a correção monetária e os rendimentos. A multa de 40% sobre o saldo também é calculada sobre esse montante.

    O aviso prévio indenizado não é incluído no cálculo do valor do FGTS a ser sacado, pois ele é uma verba específica paga diretamente como compensação pelo aviso prévio não trabalhado. A multa de 40% sobre o saldo do FGTS também não incide sobre o valor do aviso prévio indenizado.

    Deseja receber conteúdos exclusivos do Banco Mercantil? Siga-nos nas redes sociais! No Facebook, YouTube, Instagram e no LinkedIn você terá acesso a dicas financeiras e mais informações sobre nossos produtos e serviços. Conte conosco e faça parte da nossa comunidade online!

    Redação Mercantil 240 artigos publicados

    Com mais de 250 agências, 7 milhões de clientes e 80 anos de mercado, o Banco Mercantil é o primeiro do Brasil a se inspirar na experiência do público 50+ para desenvolver soluções especialmente voltadas para a juventude prateada. A Redação do banco está sempre em busca de simplificar esse universo, com dicas de investimento, economia, planejamento financeiro e estilo de vida personalizadas para você.

    Compartilhar
    Navegue pelo sumário
      Recentes
      FGTS
      Navegue pelo sumário

        Também pode te interessar

        FGTS
        FGTS
        FGTS
        FGTS
        FGTS
        FGTS

        Banco Mercantil do Brasil S.A. 17.184.037/0001-10
        Av. do Contorno, 5.800. Andares 11º, 12º, 13º, 14º e 15º. Savassi - Belo Horizonte - MG 30.110-042