Blog

    A Taxa Selic representa os juros básicos da economia brasileira. Sendo assim, exerce uma grande influência sobre outras taxas, como nos empréstimos, financiamentos e até nos investimentos. 

    Essa taxa é calculada com base na média ponderada das taxas de juros praticadas nas operações de compra e venda de títulos públicos, realizadas diariamente pelo sistema administrado pelo Banco Central. 

    Portanto, as transações efetuadas entre o governo e as instituições financeiras são a base para a determinação dessa taxa.

    Continue a leitura e entenda mais sobre o funcionamento da Taxa Selic e como ela afeta o seu bolso. 

    Quem define a Taxa Selic?

    A responsabilidade pela definição da Taxa Selic cabe ao Comitê de Política Monetária (Copom), um órgão ligado ao Banco Central do Brasil. A cada 45 dias ocorrem reuniões para avaliar as condições econômicas do país e decidir se a Taxa Selic deve ser mantida, aumentada ou reduzida.

    Esse processo de tomada de decisão envolve uma análise profunda de diversos indicadores econômicos, como:

    • inflação;
    • atividade econômica;
    • mercado de trabalho;
    • perspectivas para a economia global. 

    Com base nessas informações, o Copom determina a Taxa Selic “meta”, que serve como referência para a Taxa Selic “efetiva” praticada no mercado.

    Qual é o impacto na economia brasileira?

    A Taxa Selic visa a manutenção da estabilidade da inflação. Essa meta é estabelecida periodicamente pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), composto pelo Ministro da Fazenda, o Ministro do Planejamento e o Presidente do Banco Central.

    Para alcançar essa meta de inflação, o Banco Central utiliza a Taxa Selic como sua principal ferramenta de controle. Sendo assim: 

    • Quando a economia está aquecida e a inflação tende a subir, o Copom eleva a taxa Selic, tornando o crédito mais caro e desestimulando o consumo. Essa medida visa conter a pressão inflacionária.
    • Quando a inflação está controlada ou abaixo da meta estabelecida, o Copom pode reduzir a Taxa Selic para estimular a atividade econômica e o consumo.

    Dessa forma, a Selic atua como um mecanismo de regulação da quantidade de dinheiro em circulação na economia, influenciando diretamente a inflação.

    Leia também: Como reduzir os juros do empréstimo consignado?

    Impactos no crédito e o consumo

    As variações na Selic têm um impacto direto no custo do crédito e, consequentemente, no nível de consumo da população. Compare os dois exemplos abaixo: 

    1. Quando ela é elevada, os empréstimos e financiamentos tendem a ficar mais caros, pois as instituições financeiras repassam esse aumento aos seus clientes. Essa medida visa reduzir a demanda por crédito e, consequentemente, conter a inflação.
    2. Quando a Selic é reduzida, o crédito se torna mais acessível, com juros mais baixos. 

    Isso estimula o consumo, à medida que as pessoas e empresas têm mais facilidade em obter financiamentos e empréstimos. Essa política é adotada em momentos em que a inflação está controlada ou abaixo da meta para aquecer a economia.

    Por isso, uma dica para quem está em busca de empréstimos com juros reduzidos, é ficar de olho na movimentação da Taxa Selic. 

    Impacto nos investimentos

    As variações na Taxa Selic afetam diretamente a rentabilidade dos investimentos, com maior impacto naqueles ligados à renda fixa

    Investimentos em alta na Selic altaInvestimentos em alta na Selic baixa
    CDBs
    – Letras de Crédito
    – Debêntures
    – Ações
    – Fundos Imobiliários
    Investimentos de renda fixa tendem a se tornar mais atrativos, pois oferecem uma rentabilidade maior.Investimentos de renda variável podem se tornar mais atraentes, pois a redução da Selic irá estimular o consumo e a atividade econômica, beneficiando os resultados das empresas.

    Sendo assim, a relação entre a Taxa Selic e os investimentos não se limita apenas aos de renda fixa. Ela também influencia indiretamente os investimentos em renda variável, uma vez que afeta variáveis como o custo do crédito, a atividade econômica e a confiança dos investidores.

    Confira: Investimentos isentos do Imposto de Renda!

    A Taxa Selic e a Inflação (IPCA)

    A Selic está intimamente ligada ao IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que é o principal indicador de inflação no Brasil. 

    Isso porque a principal função da Taxa Selic é servir como uma ferramenta de controle da inflação, conforme citado anteriormente.

    Quando a inflação medida pelo IPCA está alta, o Banco Central pode elevar a Taxa Selic para desacelerar a economia e, consequentemente, reduzir a pressão inflacionária. Essa medida torna o crédito mais caro, desestimulando o consumo e a demanda por bens e serviços.

    Por outro lado, quando a inflação está controlada ou abaixo da meta estabelecida, o Banco Central pode reduzir a Selic e estimular a atividade econômica e o consumo. 

    Portanto, a Selic e o IPCA mantêm uma relação de interdependência, com o Banco Central ajustando a taxa básica de juros com base na evolução do índice de preços ao consumidor.

    Além disso, no caso dos títulos públicos prefixados, a queda da Taxa Selic pode até mesmo resultar em uma valorização desses papéis, uma vez que seu preço tende a subir à medida que os juros básicos diminuem. 

    Conheça também as diferença entre os juros prefixados e os juros pós-fixados!

    Mantenha-se atualizado sobre o mercado financeiro! Siga o Banco Mercantil no Facebook, Instagram, YouTube e LinkedIn!

    Redação Mercantil 97 artigos publicados

    Compartilhar
    Navegue pelo sumário
      Recentes
      Meu Mercantil
      Navegue pelo sumário

        Também pode te interessar

        +Dinheiro
        +Dinheiro
        +Dinheiro
        +Dinheiro
        +Dinheiro
        +Dinheiro

        Banco Mercantil do Brasil S.A. 17.184.037/0001-10
        Av. do Contorno, 5.800. Andares 11º, 12º, 13º, 14º e 15º. Savassi - Belo Horizonte - MG 30.110-042